quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Um momento, só com você

Como em uma máquina de desejos, procuro-te em cada um deles. Procuro você na forma deles. Vasculho cada movimento, cada pensamento, a cada segundo que passa quero te ver de outra forma, de outro jeito com ooutro olhar, mas sempre encontro o mesmo: você, em cada uma das formas e então percebo que a única coisa que não faltava em cada desejo era a sua presença. Você sempre esteve em cada um deles, desde o princípio. Aliás, quando foi que tudo isso começou? Quando todos te olharam? Quando eu te olhei? Quando todos nos olharam? Quando você me olhou? Ou quando ninguém estava olhando? Bom, a mim, pouco importa, pois meu olhar era seu... penetrante, confiante, verdadeiro e esclarecedor como uma partícula luminosa rápida o suficiente pra nos iluminar por tempo longo o bastante para todo o sempre.

Dizem que coincidências não existem e que tudo tem um por quê. Meu porque é você e que coincidência cairmos neste mundo não? Com tantas outras estrelas lá no céu e fui escolher justo você, pra cair sobre mim, pra me acolher.

Já me disseram que em breve volto ao meu lar meu verdadeiro lar, mas por mais cumprida esteja minha missão, só saio daqui quando puder te levar comigo e te mostrar quão belo é o universo lá fora; e passearemos sem mais tarefas, apenas a de serms felizes. Me dá a sua mão!? Vôa comigo?! Por favor... Afinal, como poderei voar sem minhas asas? Sem você...?

Que rumo tomaria sem alguém para quem mostrar o mundo?

Que histórias contaria, que palavras escrevia sem minha fonte interminável de prosas? Que versos comporia sem conhecer um verdadeiro poema? Sem conhecer você...?

Concentro em minha respiração e distraio o pensamento pra poder pensar ainda mais concentrado em você. Em quem sempre procurei pensar, pensei ter pensado e agora não só penso, como como em um pensamento certo sei que sempre pensei e agora simplesmente sei: É você.

Talvez seja esse o texto mais profundo que escreverei, tão profundo que nunca o deixarei vir à superfície, farei questão de mergulhar cada vez mais fundo nas palavras e a cada centímetro de profundidade acrescentarei letras, frases, talvez textos completos e sempre, amor, será sempre pra você, por você, com você.

Luiz Felipe – Can you read my mind? I think so.

domingo, 20 de janeiro de 2008


A Essência Líquida

“You gotta release yourself, you gotta believe in yourself”. E então as palavras ecoaram em um complexo abstrato, porém influente, permitindo que o óbvio se refletisse em meu interior, assim como no dela. Libertar-se é muito mais que sair correndo, é fixar correntes com seu próprio interior, acorrentar-se aos verdadeiros sentidos e às vezes tudo que se basta fazer é procurar aquilo que te alimenta, achando assim, o seu próprio sentido e só seu, o que na maioria das vezes, o alimento para mais alguém, assim como espero estar sendo.

São sustentos que nunca tomaram forma concreta em lugar algum; que nunca ninguém conseguiu descrever, desenhar, pintar, representar com mais clareza que o próprio sentimento, primeiro que se o conseguissem, já não seria mais o mesmo sentimento, mas algo superior, e como chegar lá se nem esse compreendemos. Talvez não consigamos representá-lo porque nós o somos. Ele nos é. Afinal, quem é quem? Eu diria: não importa, pois agora eu sou eu + vc.

Somos um espelho que uni dimensões e quando estamos dentro desse espelho, nossos mundos deixam de existir para dar lugar ao nosso e só nosso sentido, a nossa razão, o nosso por quê.

Quando lá estamos, o tempo para (talvez não pelo tempo que gostaríamos), mas o tempo necessário para aumentar ainda mais isso ao nosso redor e o melhor de tudo; conseguimos sentir cada centímetro deste nosso espaço, cada partícula desse espaço azul anil e rosa shock, como líquidos diferentes, de mesma densidade que se misturam, tornando um só sem perederem suas propriedades. Pois um nunca perderia o outro, nao mais, ou entao perderiam a si mesmos.

“…and I felt my heart melt, ‘cause I knew I love you more than life itself.” (só para representar o momento de hoje, dentro do nosso espelho)

Luiz Felipe

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Um Toque Astral

Que vontade é essa que tenho de me expressar e fazer-te sentir o que sinto? Que direito tenho eu de te fazer ouvir minhas mágoas ou felicidades? Talvez porque compartilho com você tudo aquilo que sinto, o que, acredite, me deixa muito satisfeito. Ter alguém para me ouvir e ouvir de verdade, realmente me entender e não só dizer que entende.

Por quantas horas ficaria descrevendo cada olhar? Por que motivos os prenderia? Por que motivo os libertaria? Simples, pois ele liberta sentimentos que palavra alguma sequer conseguiria, jamais. É como um toque direto e suave na alma. Pois se os olhos são as janelas, quando eles se encontram, tornam mais uma vez o momento em algo mágico, ou melhor, astral.

Um suspiro para buscar inspiração e uma música para fazer tudo fluir, como sempre gostamos. O êxtase me toca, me impulsionando a cada batida e meus olhos procuram pelos seus, para me polpar as palvras e resumir todas elas a um um toque, a um único olhar.


Um Momento De Luz

Fiquei pensando em te escrever, em mandar maensagens, aquele momento poderia ser infinito ou eterno somente até o momento em que eu pudesse dizer tais palavras em seu ouvido, olhando nos olhos, com você em meus braços.

Meu corpo inquieto em movimento constante e minha mente vagando como a daquele que a ver, não tem mais nada, além do horizonte que se estende à sua frente, mas ele ainda pode e sempre o fará; imaginará a todo instante.

E naquele instante, olhando para o nada mas pensando em tudo, uma forte vontade de ter tudo resolvido e simplifcado tomou conta de mim e apesar de não fazer idéia de que passos tomaria, aquela situação pareceu tão próxima e aconchegante que assim meu primeiro passo tomei, te escrevi, enfim.

Se escrevi pra você ou para mim, não sei dizer, diria que para nós, por nós, pois quando os pensamentos se juntam; se complementam e se realizam tornando tudo possível por mais irreal que seja. Aproximando-nos.

Uma palavra de amor e um sentimento de paz e tranquilidade, meu espírito, dominado pela paixão, aquecendo-me, confortando-me na sua energia. Tão belo de se dizer; ainda melhor de ser visto, indescritivelmente perfeito pra ser sentido. Adormeci... pensando no que me fora dito, nas palavras que fugiram de minha boca, provindas da alma e percorrendo os obstáculos da insegurança. Não fora difícil dizê-las, nem fácil mantê-las sob meu domínio, pois eram suas, sempre foram.

Um piscar para me recompor, um olhar para me desfazer, uma brisa pr a me refrescar e uma chama para acender. Com puro sentimento, carinho e dedicação, com muita força, energia e sim, muita emoção, muita mesmo...

Belas palavras são escritas, não por um, mas por dois e que elas se completem hoje e sempre, como eu quero para nós. As palavras são lidas e assimiladas pelo próprio sentimento, recíproco...

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008


Sopro Divino

Por tantas vezes já tentei e consegui; procurar palavras para o que é belo. Parece uma tarefa simples, mas uma vez que uma delas é usada, não queremos mais repeti-la, pois um termo nunca é suficiente e a repetição nem mesmo é válida, porque aquele termo não se aplica mais, a beleza foi aperfeiçoada, assim como cada, toque, olhar e sentimento correspondentes!

Sentimento forte como esse que nos invade, nos permite flutuar de olhos abertos e viver de olhos fechados. Neste ano em que o certo e o errado se alternam tornando-se uma só energia... Nos levando através da espiral, ascendendo-nos, transcedendo-nos, carregando-nos e assim nos fazendo sentir quando cada camada é ultrapassada; quebrada, como um sopro ascendente em cortina de fumaça; e esse sopro, somos nós. Acredite.

Luiz Felipe

#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#

Um breve comentário para o toque mais profundo

Luiz Felipe

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Um Simples Comment Com Profundo Sentimento

Sem coments, absolutamente incontestável, simplesmente harmonioso e perfeito. Um sentimento pelo outro assim transformado como pedra em pena e de um monte delas feito um colchão, onde todos deitamos e apreciamos o luar, CHEIO, profundo e presente, como nós. Em palavras sinceras e honestas, espontaneas e com sentimento. Sentimento este que compartilho não com um, mas com dois! Sendo assim, 3! Sem coments, sem palvras, pois assim também nos comunicamos!

Luiz Felipe

#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-

Estava com a intenção de escrever, mas não conseguia pensar em nada, emalgum tema, palavras não me vinham, até que em um simples coment de fotolog, ou melhor flogao, o texto saiu, e veio rápido e certeiro, adequando-se à situação e ao sentimento.

Luiz Felipe

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Um Escape Inconsciente

Quando fechei meus olhos, senti que meu corpo começou a adormecer, minha mente ainda continuava em alerta, mas os sons e cheiros que eu ouvia e sentia não pertenciam ao mesmo local de onde eu estava. Senti-me deitado em um quarto de uma casa não familiar, porém confortável. Pessoas passavam pela rua como nas típicas tardes monótonas de Domingo em São Paulo ou em qualquer dia da semana em uma cidade do interior distante daqui. Por que eu estava alí? Alí ou aqui? Onde eu estava?
Pergunto-me também, por que sentira tal sensação? Por que a nossa mente prega peças em nós mesmos com tanta frequência? Por que alguns sonhos são tão sem sentido? Por que não podemos voltar naquele sonho interrompido durante a madrugada? Por que acordamos milésimos de segundo antes da melhor parte? Por que?...
Por que sonhamos e estimamos tanto uma coisa a ponto de ela não acontecer? E geralmente isso acontece quando temos tudo preparado. E por que é mais funcional, mais divertido, mais proveitoso, mais gostoso tudo aquilo de última hora?
Em outro texto escrevi que não questionaria mais, há momentos que elas fazem bem o trabalho e descontam mais do que xingos e outros termos, mas em certos momentos elas nos controlam fazendo-nos questionarmos a tudo e a todos. Tão mais simples seria se pudéssemos simplesmente viver, seguir o script e pronto, fim de cena, se não ficou bom : ”Vamos refazer, Take 2!”. Mas por outro lado, que graça teria, como estaríamos? Duvido muito que seríamos o que somos hoje. Duvido ainda que faríamos alguma coisa. Não haveira risco, não haveria adrenalina, não haveria o clássico “frio na barriga” e que muitas vezes, é o que nos impulsiona a tomar atitudes.
Hummmm… atitudes. Quantas maneiras existem para se fazer a mesma coisa? Depende. Quantas coisas há pra se fazer?

Luiz Felipe

#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-

Mais uma vez minha mente me prendeu em um emaranhado de pensamentos, colocando-me num emaranhado psicodélico não linear. Nossa como sou exagerado, foi só uma bagunça de pensamentos conectados de certa forma um ao outro, bom, sendo assim, há uma conexão, logo, é linear.

O fato é: Quis escrever e escrevi o que tinha que sair.

Hasta luego chicos e chicas.

Luiz Felipe

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Um Sentimento Repentino – Fixação Passageira

Agora a pouco tive um insight e então, comecei a refletir o quanto eu sou capaz de amar. Será que uma pessoa me desprezaria porque quando olha para o meu jeito simples de ser, acha que eu não seria capaz de completá-la, de satisfazê-la? Agora já não sei mais, pois o pensamento que se fez do sentimento já se fora e me encontro agora no meio dessas palavras procurando satisfazer a mim mesmo.

Penso agora que talvez essa pessoa não o fez por querer, ou muito menos por mal, ela o fez simplesmente porquê não enxergava o que enxergei e muito provavelmente não sentiu o que eu senti, já que eu também já não sinto mais nada, somente sinto a vontade de ter feito melhor.

Esses pensamentos mexem tanto com minha cabeça que até mesmo a música que me leva o dia todo, fica em segundo plano, dando lugar às palavras. Uma pergunta então fica no ar: Qual será o próximo patamar?

Luiz Felipe

#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-

Antes de mais nada eu gostaria de dizer que o texto acima foi uma... como eu poderia dizer? ...Tá, foi algo que começou bem, mas se perdeu um pouco, até mesmo porquê escrevi mais do que gostaria e passou, então, a ficar meio sem sentido... E agora que escrevo meu comentário percebo que o que escrevi foi como juntar um restinho de sentimento e empurrá-lo para fora, para que esse antigo sentimento desse espaço para novas coisas... É, acho que isso resume bem o sentido (não mais) oculto desse texto. De qualquer forma saiu algo, não?

Sem mais por hora,

Luiz Felipe / Arnaut / p4ss0

sábado, 5 de janeiro de 2008

Devo ser sincero neste ponto, assim como o fui no poema abaixo, quando o comecei eu não tinha idéia do que escreveria. Na verdade, isso sempre acontece, mas o importante é que deixo as palavras virem e consigo me satisfazer.

Tenho que assumir que se n
ão fosse por algumas linhas que li recentemente, não estaria agora escrevendo. É sempre bom ler os pensamentos e sentimentos de outras pessoas e foi exatamente o que eu fiz ontem e hoje. Cris, obrigado pelo toque de inspiração! ;)
Como eu já te disse, tem sido cada dia melhor conversar e devo isso também a outra pessoa, meu caro amigo Ale: Cara, vc sabe que se eu for escrever tudo aqui n
ão vai dar muito certo hehe, mas de qualquer forma eu quero que vc sabia que sinceramente eu acho que vai ser um POUQUINHO difícil (eu e a minha ironia) achar alguém pra compartilhar tantos momentos... (e mto engracados por sinal) haha.. Valeu por tudo carinha!

Desejo a todos um próspero 2008! (Cumprimentos 5 dias atrasados, mas tudo bem)

Luiz Felipe


#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-#-

O Poema

Começo agora a escrever,
sem saber direito o que dizer....
Um novo ano pra trilhar,
Novas palavras para rimar!

Assim como uma música, vamos levar...
Sem medo de ferir ou tropeçar.

Assim prefiro seguir,
Com novas portas para abrir.
Uma obra de arte, um elixir?
Não sei, só quero deixar fluir...

Sem medo ou desconfiança, nada disso quero mais.
O que quero, sei, é seguir em paz!

Há tempos não escrevia, tanto que, estranho até minhas próprias palavras.
Versos curtos, outros longos. De que importa? O importante é abrir novas asas.
Com poucas linhas a correr, meus pensamentos tento transcrever,
Por isso prolongo os versos e mudo as rimas e deixo-o por si só morrer.

Luiz Felipe

Google Website Translator Gadget

Seguidores